Cícero (106-43 a. C.)

"Cedant arma togae!"

"A influência do pensamento de Cícero sobre a história da cultura ocidental é incomensurável."- E. Gilson

Vida         Obra        Links    Outros Links

 

 

 

 

 

Vida de Cícero

Cícero nasceu em Arpino, pequena cidade do Lácio, em 106.

Não pertencia à nobilitas. Era homo nouus, ou seja, não tinha magistrados superiores na família.

Não era um homem muito forte. No BRUTUS faz uma espécie de auto-retrato, referindo a debilidade da sua compleição.

O nome Cícero derivaria, segundo uns, do facto de o seu avô ter sido cultivador de chícharos (legumes parecidos com o tremoço), segundo outros, de uma verruga que tinha no nariz.

Cedo foi para Roma, a fim de completar a sua educação. Aí se dedicou essencialmente ao Direito e à Oratória.

Aos 16 anos, em 90 a. C., vestiu a toga viril e começou a ser conhecido. Começou por escrever poesia, mas sem êxito. Inicia a sua actividade de orador. Com o mais famoso advogado da época, Hortênsio, adquire grande experiência. Embrenha-se também na filosofia, com Fílon e o estóico Diódoto.

A fim de se aperfeiçoar na eloquência, ou por receio de Sila (PRO ROSCIO AMERINO) partiu para a Grécia, contactou com os melhores oradores e filósofos gregos (o epicurista Fedro, por ex.).

Aos 29 anos, regressado a Roma, casa com Terência, que não era a esposa indicada para o seu temperamento.

Cícero começa O CURSUS HONORUM.

Politicamente, seguia a regra concordia omnium.

Eleito questor em 75 a. C., foi para a Sicília. Aí granjeou muitas amizades e admiração pela honestidade no desempenho do seu cargo. Passou depois a edil (69) e a pretor (66).

Entre 65 e 64 nascem os filhos: Marcus Cicero e Tullia.

Em 64 a. C. é eleito cônsul derrotando Lúcio Catilina, um aristocrata suspeito que reunira à sua volta os descontentes de todos os partidos, formando com eles uma espécie de coligação. Em 63, Catilina tentou de novo ser eleito, mas foi derrotado outra vez. Então recorreu à violência e preparou uma conjura, provavelmente encorajada por César que tomara a direcção dos populares contra os optimates. Cícero é informado da tramóia e ataca publicamente Catilina no Senado denunciando a sua manobra. Cícero chega mesmo a propor a pena de morte para os cúmplices de Catilina. Marco António nunca lhe perdoaria esta proposta porque entre os condenados figurava um cunhado seu.

No ano 60 surge o primeiro triunvirato entre César, Pompeu e Crasso. Cícero hesita politicamente, apoiando ora um ora outro.

É exilado por Clódio, em 58 , e nomeado procônsul na Cilícia (Ásia Menor) no ano 57.

Em 49 regressa a Roma. César, apoiado pelo povo, e Pompeu, apoiado pelo Senado, disputam o poder. Em 48, na batalha da Farsália, Pompeu é derrotado e, mais tarde, morto.

Cícero vê-se obrigado a repudiar a mulher e morre-lhe a filha Túlia (45).

Após o assassinato de César, por Brutus em 44, Cícero tenta entender-se com Marco António, mas acaba por escrever uma série de discursos contra ele.

A sua animosidade contra Marco António, contra quem pronunciou as célebres FILÍPICAS, valeram-lhe a morte, a 7 de Dezembro de 43, a. C.. Efectivamente, apoiou Octávio, mas este, aliou-se a António e a Lépido e formou um novo triunvirato em que os principais elementos eram os dois rivais: António e Octávio. É a hora de António se vingar das invectivas de Cícero, ao incluí-lo nas listas de proscritos. Cícero apercebe-se da situação e foge. Porém, por motivos de saúde ou talvez dominado pelo desencanto da vida, volta para trás, disposto a morrer. É na sua viagem de regresso que a sua cabeça e a mão direita são decepadas pelos partidários de António, que as colocaram sobre a tribuna onde tantas vezes os romanos tinham ouvido o orador. Isto em 7 de Dezembro de 43 a. C., contava Cícero 63 anos. Com a sua morte calara-se a última grande voz em defesa da República.

Obra de Cícero

No séc. I a. C. a língua latina adquire grande diversidade. Os escritores latinos são imbuídos do pensamento das doutrinas filosóficas gregas: Estoicismo, Epicurismo e Platonismo.

Aos 20 anos, Cícero compôs o primeiro tratado de retórica, imitando os tratadistas gregos, o DE INVENTIONE, sobre a arte de encontrar ideias e desenvolver as diferentes questões.

Os discursos iniciais trataram de assuntos privados ou criminais, como é natural num advogado que principia a sua carreira. Cícero foi autor de um vastíssimo número de discursos de defesa ou de acusação.

No discurso PRO ROSCIO AMERINO defendeu Róscio de Améria contra um liberto de Sila; os partidários de Sila ficaram furiosos com este discurso.

Quando já era edil, foi escolhido pelos Sicilianos para seu defensor na causa que moveram contra Verres que os tinha espoliado. Escreveu um discurso contra ele, a ACTIO PRIMA IN VERREM e depois foi à Sicília recolher elementos para uma segunda série de discursos, a ACTIO SECUNDA IN VERREM de que fizeram parte o DE FRUMENTIS ( sobre a desonestidade nas distribuições de trigo), o DE SIGNIS (sobre o roubo de obras de arte) e o DE SUPLICIIS ( sobre as atrocidades de Verres).

As Catilinárias ( IN CATILINAM) pronunciadas contra Catilina entre Novembro e Dezembro de 63, constituem uma peça valiosa de oratória pela habilidade da argumentação, ironia nas alusões e variedade de estilo.

No PRO MURENA, defende a nomeação de Murena como cônsul para não dar possibilidades a Catilina.

Em 62, terminado o consulado, Cícero pronunciou o PRO ARCHIA.

A partir do ano 55, a actividade literária de Cícero é fecundíssima. Na Cilícia, escreve obras sobre retórica, filosofia, política e moral e continua a sua actividade de advogado. São deste período:

- DE ORATORE, sobre as qualidades e conhecimentos do bom orador: a doutrina ( conhecimento do argumento), as qualidades naturais ( atitudes emotivas, palavras ardentes, voz bem colocada), a prática ( preparação cuidada, nada de improvisações) e a escola ( estudo dos oradores famosos, imitação dos grandes autores); na opinião de Cícero, a retórica não visa a verdade mas a persuasão.

- DE REPUBLICA, sobre as várias formas de governo;

- DE LEGIBUS, sobre a lei e o direito;

- PRO MILONE, em defesa de Milão, acusado de matar Clódio, seu inimigo político.

Depois da separação da mulher e da morte de Túlia, escreve: TUSCULANAE DISPUTACIONES ( trata do desprezo da morte e da paciência no sofrimento), BRUTUS ( este tratado pretende ser uma história da eloquência grega e romana até ao seu tempo), DE AMICITIA (a amizade nasce da virtude e só pode existir entre os homens bons).

Nas FILÍPICAS incita o povo a opor-se a Marco António.

O DE SENECTUTE ou CATO MAIOR (diálogo sobre a velhice, entre Catão, Cipião Emiliano e Lélio) foi escrito quando Cícero contava 62 anos.

Outras obras:

- ORATOR: trata do que deve entender-se por um bom orador; as três fases do processo retórico são a inuentio, a actio e a elocutio; nesta última, o orador deve alcançar três objectivos: probare, delectare, flectere.

- ACADEMICI LIBRI: trata do problema do conhecimento, analisado à luz dos princípios do Platonismo.

- DE OFFICIIS: expõe as doutrinas do dever, da prudência e da justiça.